Blog

As principais diferenças entre o pauperEDH do commander e porque elas existem

O Pauper EDH é uma variação do Commander tradicional, e o motivo da existência oportuna desta variante é que muitos jogadores não estavam satisfeitos com a atual situação do meta game e do custo da montagem de decks EDH, onde um deck pode ser absurdamente caro e montado com cartas muito difíceis de serem encontradas. Mas não é apenas a viabilidade econômica que faz do Pauper EDH tão atrativo, confira neste artigo as principais diferenças entre o Pauper EDH do Comandem e a razão pela qual elas existem.

O problema das Staples

É comum jogadores determinarem que uma carta é uma Staple do formato, ou seja, é uma carta tão boa e que permite que o seu deck fique mais “juntinho”, que seu uso é sempre incentivado. Cartas como Sol Ring , Mana Crypt ou Arcane Signet, são conhecidas por jogarem em praticamente qualquer deck e permitirem a rápida aceleração de mana ou estabilização das cores. Contudo, as Staples trazem um grande problema, se qualquer deck utiliza destas cartas, nenhum jogador quer vendê-las ou trocá-las, ou seja, sempre há publico querendo comprar, mas a venda é difícil e seus preços no mercado secundário apenas sobem se não existirem reprints em grande quantidade.

 

Muitas Staples representam um grande valor do preço final do deck, e a construção de um deck sem as utilizar faz com que a qualidade do mesmo caia muito, criando uma grande diferença de poder entre os decks. Esta diferença de poder é frustrante e faz com que muitos jogadores achem injusto que exista esta barreira monetária no seu processo criativo.

No Pauper EDH, as Staples são acessíveis e fáceis de encontrar, mesmo aquelas que jogam Pauper estão disponíveis para compra, troca e venda. Com a rotatividade dos decks competitivos e uma lista de banimentos crescente, o Pauper só fortalece o crescimento do Pauper EDH.

Dano de comandante e vida inicial

Por qual motivo a vida inicial é menor no Pauper EDH? Para permitir que decks rápidos como o aggro, decks focados em ataque e criaturas possam pressionar decks control e combo. No commander tradicional, ter 40 de vida inicial é um grande apoio para decks que são mais lentos, pois permitem que eles possam sofrem danos e perder vida no começo do jogo sem se afetar muito. Contudo, com a vida inicial em 30, eles não podem se dar ao luxo de perder tantos pontos de vida assim. Estratégias de combo precisam manter remoções e bloqueadores no inicio do jogo, tornando seu estilo mais midrange. A falta de efeitos globais de remoção no Pauper EDH torna os decks dependentes de cemitérios ou de criaturas em campo e que tenham um ambiente muito mais favorável.

 

Já o dano de comandante, foi determinado de maneira muito simples: Se a vida inicial é 30, logo, o dano de comandante deve ser metade da vida inicial +1, ou seja, 15+1=16. Este escalonamento utiliza como base o dano de comandante do commander tradicional, que é 20+1. Um dano de comandante menor implica em uma melhor facilidade em montar decks voltron, dedicados a vencer os oponentes com técnicas de combate, facilitando assim o dano causado por seu(s) comandante(s). O dano de comandante no Pauper EDH é uma estratégia muito mais viável do que a realidade do commander tradicional.

A liberdade de escolha: incomuns não-lendarias como comandantes

O principal foco do Pauper EDH, o que realmente desperta o interesse nos novos jogadores é a empolgante possibilidade de utilizar qualquer criatura incomum, sendo lendária ou não, como o seu comandante. Esta possibilidade abre caminho para um grande leque de decks únicos. Magos da guilda, representantes dos Khans, aprendizes de Strixhaven, criaturas de vários ciclos diferentes, todas elas sendo incomuns e trazendo habilidades únicas para criar ambientes de jogabilidade diferenciada. Mesmo utilizando comandantes desconhecidos, o nível de jogo pode se manter próximo entre os jogadores, visto que todos os decks estão sob a mesma restrição de construção.

 

É o diferente que nos aproxima

Apesar das diferenças, o Pauper EDH se aproxima muito do formato commander tradicional por permitirem que seus jogadores embarquem em aventuras únicas com seus decks sendo emissários de suas criatividade e sentimento. Seja combo ou tribal, guilda ou Khan, escola ou facção, existem criaturas incomuns de todos os tipos e cores fornecendo inúmeras estratégias.